Ouroboros

    Ouroboros é um símbolo muito conhecido no ocultismo, em especial na Alquimia. Sua representação é de uma serpente (ou dragão) que devora a própria cauda.

    A parte das várias representações que ele possui, o símbolo remete ao eterno retorno da natureza cíclica do tempo. É uma fiel analogia à fênix, que renasce constantemente de suas cinzas.

    Origem

    É um símbolo muito antigo, presente em diversas civilizações antigas, como Mesopotâmia, Egito ? representação da ressurreição da divindade egípcia Rá ? etc. Inclusive, algumas vezes ele esteve associado à frase “Hen to pan”, que significa “O Todo” ou o “UM”.

    Na atualidade, o conceito de tempo é linear, tendo um começo, representado pela criação; e um fim, representado pelo Juízo Final. No entanto, os mais antigos não viam o tempo dessa forma. Para eles, o tempo era cíclico.

    É visto também como um símbolo místico que está associado ao conceito de eternidade, à constante evolução e movimento da vida, além de outras representações, como fecundação, renovação, criação, ressurreição e destruição. Dá para notar a riqueza de significados que esse símbolo traz.

    Outra informação interessante é que sua forma circular representa um arquétipo associado a movimentos ininterruptos, fazendo alusão também ao próprio Universo.

    Na alquimia, o ato de morder a própria cauda está associado ao princípio da autofecundação. Além disso, o Ouroboros tem relação com o Hermafrodita ? figura que representa o renascimento do alquimista. Além disso, representa a Obra, que não tem começo nem fim. Por isso, este símbolo é tão adotado na alquimia.